Pular para o conteúdo principal

Artigo: O que pode parar o agronegócio?




Setor deve, cada vez mais e de modo absolutamente enfático, tomar para si discurso e ação do desenvolvimento sustentável, caso contrário consequências mercadológicas em nível global serão inevitáveis

Ronaldo Luiz*

O agronegócio não parou. Esta foi a frase mais dita e ouvida por quem vive o dia a dia do setor nestes tempos de pandemia. E, de fato, foi o que aconteceu, com os elos de toda a cadeia produtiva do agro trabalhando de maneira plena, do campo à mesa e aos portos. 

Salvo raras exceções negativas - no caso, especialmente, os segmentos de flores e frutas, o primeiro prejudicado pela interrupção dos eventos presenciais e o segundo pela diminuição da oferta de voos para exportação -, o agronegócio continuou garantindo a segurança alimentar doméstica e gerando contínuos excedentes exportáveis. Destaque para os embarques recordes de soja e o comércio exterior aquecido para as carnes, tendo a China - em ambos os casos - como principal destino. A valorização do dólar frente ao real também foi um fator extremamente positivo para os bons resultados do agro no primeiro semestre - inclusive com geração de novos empregos, de acordo com os mais recentes dados do Caged. 

Agora, o que vem por aí? O radar indica alguns pontos que merecem atenção. Primeiramente, o câmbio, que foi e está sendo favorável para venda da atual safra de grãos, mas, não se enganem, certamente impactará em elevação dos custos de produção mais adiante, já que a maioria dos insumos são dolarizados.

O vaivém da guerra comercial entre Estados Unidos e China, bem como as eleições norte-americanas também alimentam incertezas no jogo do comércio agrícola internacional. Neste aspecto, ressalta-se a avaliação de lideranças do setor - inclusive da ministra Tereza Cristina - de que haverá um recrudescimento do protecionismo no pós-pandemia, o que poderá, de alguma maneira, impactar nossas agroexportações. A era pós-covid também será marcada pela exigência cada vez maior do consumidor em relação à origem e rastreabilidade do alimento. 

Outro alerta proeminente envolve a questão ambiental, temática-chave para sobrevivência competitiva do agronegócio brasileiro. O setor deve, cada vez mais e de modo absolutamente enfático, tomar para si discurso e ação do desenvolvimento sustentável, caso contrário consequências mercadológicas em nível global serão inevitáveis. 

Ademais, as ferramentas digitais vieram para ficar no agronegócio - seja na produção, processos, gestão e marketing - e o financiamento será cada vez mais atrelado ao crédito captado no mercado. No âmbito da infraestrutura logística, que cabe ressaltar apresentou sinais de melhora nos últimos tempos, a expectativa reside em novas rodadas de concessões, que possam atrair investimento privado. Em síntese, as oportunidades no e para o agronegócio são enormes, assim como os desafios também. Mãos à obra. 


*Jornalista com 20 anos de cobertura do agronegócio. É apresentador do AgroPapo na AllTV; diretor da ComResultado, agência de conteúdo, comunicação e marketing digital focada no agro - www.comresultado.com.br -; editor do Portal Universo Agronegócio (Uagro); e colaborador dos sites CenárioAgro e Mato Grosso no Ar. 

via assessoria

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Chega ao Brasil bionematicida com tecnologia japonesa inédita

Resultados obtidos com pesquisas utilizando Furatrop

Lançamento exclusivo da Biotrop aumenta a produtividade da soja em até 4.7 sacas por hectare, e ainda ajuda os produtores de todo o Brasil a diminuírem as perdas pelos nematoides em diversas outras culturas                    Acaba de chegar ao mercado brasileiro um poderoso bionematicida lançado pela Biotrop. De formulação inédita e exclusiva, o Furatrop tem como grande diferencial a velocidade de ação no solo. Ao combinar a tecnologia japonesa Hayai e uma cepa de altíssima eficiência (CNPSo2657) de Bacillus subtilis o produto age rápido entregando resultados superiores no controle de nematoides e aumentando a rentabilidade das lavouras. O Furatrop contribui para a máxima expressão do potencial genético de diversas culturas como a soja, milho, tomate, feijão, cana-de-açúcar, algodão, entre outros. Isso com ação muito mais rápida e duradoura do que outros produtos no mercado. Em comparativos, pôde-se observar a diferença no desenvolvime…

Paraná será sede da maior fábrica de queijos do Brasil

Foto: reprodução site Piracanjuba Unidade da Piracanjuba será instalada em São Jorge D’Oeste, no Sudoeste do Estado. Investimento foi confirmado em solenidade com a presença do governador Ratinho Junior. É a segunda planta da empresa no Paraná e tem previsão inicial de geração de 300 empregos diretos.                São Jorge D'Oeste, município com pouco mais de 9 mil habitantes, no Sudoeste do Paraná, vai abrigar a maior fábrica de queijo do Brasil. A unidade é da Piracanjuba e ficará em um espaço de 48,74 hectares, nas margens da PR-281. O anúncio foi feito nesta terça-feira (21), em solenidade com a presença do governador Carlos Massa Ratinho Junior. A previsão inicial de investimento é de R$ 80 milhões e a expectativa é de geração de 300 empregos diretos. Inicialmente, a fábrica deverá processar cerca de 600 mil litros de leite por dia. Porém, a capacidade de processamento da unidade vai ultrapassar os 2 milhões de litros por dia quando estiver em pleno funcionamento. O govern…

Ministra Tereza Cristina participa do lançamento da campanha Mulheres Rurais, mulheres com diretos

© Marcelo Camargo/Agência Brasil
Ministra Tereza Cristina participa nesta quarta-feira do lançamento da campanha Mulheres Rurais, mulheres com diretos


                     A proposta da campanha é dar visibilidade às mulheres rurais, indígenas e afrodescendentes que vivem e trabalham em um contexto desigualdades estruturais e desafios sociais, econômicos e ambientais A 5º edição da campanha #Mulheres Rurais, mulheres com direitos será lançada nesta quarta-feira (29), no Palácio do Planalto, às 16h, com as presenças do presidente Jair Bolsonaro, da primeira-dama, Michelle Bolsonaro, e das ministras Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento), Damares Alves (Mulher, da Família e dos Direitos Humanos), e do representante da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO) no Brasil, Rafael Zavala.
“Essa campanha é de valorização das mulheres produtoras rurais. É preciso somar forças para que juntos – governo federal, FAO e organizações parceiras – sejamos capa…